Friday, June 01, 2018

Sobre feitiços e fantasmas

Volta
Que você olhando pra mim daquele jeito
provoca frio e calor ao mesmo tempo
E enquanto você sorri a gente é invencível
Nossos corpos sabem ser melhor que qualquer alopatia
Quando seu abraço envolve meu quadril
A gente conjura feitiço antigo
Cura dor sangue passado
E até a semente que não germinou
Sabemos morder o fruto
Lamber a seiva
Fazer poção encantada
Cama purpurinada
Luz de outono é capaz de
romper mágoa em água
Que seja saliva em vez de lágrima
Sombra é companheira da gente
Costurada no pé
Não adianta brigar com ela feito Peter Pan mimado
Que ela seja lembrete e não obstáculo
Pra aprender a caminhar no escuro
Fantasmas não existem, criança
E nem todo abismo é de dar medo


Tuesday, March 13, 2018

Máquina de lavar

Hoje tirei pra lavar a roupa de cama
que displicentemente conservava
porque ainda tinha o cheiro dos nossos corpos
Despejei o sabão em pó
dando adeus às manchas
de saliva, gozo e suor
"Da poeira do cotidiano que a mulher extrai filosofia", 
me ensinou Elisa Lucinda
Centrifuguei então sem dó
seus absurdos encardidos
junto dos lençóis e fronhas
E é dessa máquina
que vai sair meu amor próprio
limpo e com perfume de lavanda

Monday, January 15, 2018

Afirmativa

Tu me disse “cuidado”,
que só não valia se apaixonar
Te perguntei o porquê
Na tua boca faltou argumento
O que tem de sobra nesse mundo é medo
E ninguém se abre
E ninguém mais tenta
Inventando machucado
antes mesmo de levar o tombo
Mas tu pode gaguejar
e até tremer na base
Que eu continuo cantando
Que eu continuo gritando
janela a fora
e coração adentro:
É pra amar sim
É pra amar muito
É pra amar sempre

Monday, August 14, 2017

Falha

são nem 9h da manhã
e já falhei
miseravelmente
pensando em você
esqueci o orégano
da tapioca

(não sei o que é pior)

Tuesday, August 01, 2017

Sol em Leão

Agradeço os dias que me aquecem 
Abraço as sombras que me anoitecem 
Mas sem ficar presa na matrix 
Porque eu sou luz 
Minha melhor morada, eu sei 
Meu coração pode ser fênix 
Tipo o Sol, "há de brilhar mais uma vez"

Wednesday, July 19, 2017

Covardia

o escuro do quarto apertado
o som quase mudo das teclas
foi o que sobrou da falta de coragem
de mudar de vida
deixar de ser vítima
admitir que o amor já não arde
voar pra Índia
dar a cara a tapa
de pular de paraquedas
ou de um prédio
no fundo
no fundo todo poeta é covarde

Monday, June 19, 2017

Matéria
orgânica
Paisagem
onírica
No futuro
tudo
terá
sido
Sonho