Wednesday, July 19, 2017

Covardia

o escuro do quarto apertado
o som quase mudo das teclas
foi o que sobrou da falta de coragem
de mudar de vida
deixar de ser vítima
admitir que o amor já não arde
voar pra Índia
dar a cara a tapa
de pular de paraquedas
ou de um prédio
no fundo
no fundo todo poeta é covarde

Sunday, October 09, 2016

Você vai me perder
Sem nem perceber
Que a flor do meu peito
sem cuidado seca

Você vai me perder
Não vai demorar
O sangue que escorre
uma hora estanca

Você vai me perder
Tenha certeza
Quando não houver mais lágrima
não sobrará nada

Você vai me perder
Não ficará rastro, nem pegada
O que o tempo cura
ele também afasta

Você vai me perder
Assim que enxergar
seu coração-terreno-baldio
Onde morava amor
só restará o vazio

Saturday, September 10, 2016

Saturday, July 18, 2015

Dia fora do tempo

num lampejo em que o olhar se cruza
o bastante
devaneio vira arquitetura 
maozinha do acaso transformou magnetismo em matéria
colidindo corpos ao som de Sidney Magal
"juntos essa noite / quero te dar todo meu amor"
movimento tão natural do teu braço envolvendo minha cintura
como se ali já morasse história antiga
gastando onda, ganhando uvas
molhou meu desejo no seu sotaque
aprendeu a dançar no baile e na cama
me enxerguei dentro de tu
se enxergou dentro de mim
olho de go-pro
bom de partilhar cigarro e segredo
metaliguistica, conexões & pintas nos ombros
eu achando que era marra, era áries com touro
gosto de pensar que num universo paralelo
eu não teria ido embora

Monday, September 01, 2014

Setembro

Vem, setembro,
Convencer que corda-bamba não é lugar pra coração
Diz pra ele esquecer essa história de ser equilibrista,
Pra ele pular, que meu peito tem rede de proteção
Vem, setembro
Ventar a sujeira que escondi embaixo do tapete
Ou melhor, joga logo esse tapete fora
Deixa só as árvores floridas

e a poesia na ponta da minha língua


Friday, August 02, 2013

enquanto o mundo se move
mata come estupra destrói corrompe
eu olho a Lua e me pergunto no que o primeiro homem pensou
ao ver a imensa bola branca flutuando no escuro da noite
quanto sangue derramado
quanto amor desesperado
buracos buracos buracos
e ela, a mesma, testemunha dessa história
cheia de beleza e dor,
me reluz a certeza:
a gente só acaba
quando ninguém mais olhar pro céu.

Monday, January 14, 2013

Todo mundo tem um buraco no peito
E o que pulsa dentro dele nunca cabe de pronto
Passa a vida apertado ou solto
Até encontrar o encaixe perfeito
No corpo de outro

O que acelera
É o músculo pulando, querendo logo sair pela boca
Dissolver-se na língua,
Ser engolido saliva
Pra, só então, desembocar Coração
Na cavidade que antes era oca